Love in the Evening II
Brasília/DF
Composição utilizando a regra dos Terços

Você deve estar se perguntando:

– E de onde veio essa história de regra dos terços?

Bem, sabe-se que ela é muito antiga.  Antes mesmo da criação da fotografia era já era usada nas artes plásticas. Mas na verdade há quem defenda que ela seja uma versão “preguiçosa” de uma outra regra bem mais antiga e universal.  Imagine que exista um número, uma razão, encontrada na natureza com frequência, que consegue predizer o crescimento de uma concha marinha, que corresponde exatamente à proporção de abelhas macho e fêmeas numa colméia, que indica com exatidão nossas proporções corpóreas e muitos outros fenômenos naturais. Esse numero existe e chama-se PHI, em homenagem a Fídias (escultor antigo)  e equivale resumidamente a 1,618033. Esse número tem várias nomenclaturas, entre elas:  Proporção Áurea, Razão Áurea e Proporção Divina. Se você leu o livro ou assistiu o filme “Código Da Vinci” já sabe do que estou falando: Proporção universal, Homem Vitruviano, Sequência de Fibonacci, etc.

Concha (Nautilus) e sua relação com a proporção Áurea

Matematicamente descreve-se esse proporção da seguinte forma: (a+b)/a=a/b=PHI. Passando para a o corpo humano podemos dizer que a distância dos pés à cabeça (a+b) quando dividido pela distância dos pés ao umbigo (a) é igual à divisão desta ultima (a) pela distância do Umbigo à Cabeça (b). Eita, agora confundiu tudo hein!?! Nada, é bem simples, observe o caracol verde acima e as linhas geradas por seu retângulo interno. Se colocássemos um Caracol desse de cada lado, como se fossem espelhos, teríamos a grade da proporção áurea muito parecida com a regra dos terços.

Linhas Vermelhas – Proporção Áurea
Linhas Azuis – Regra dos Terços

Para transformar a regra dos terços em proporção áurea basta “internalizar” um pouquinho os quatro pontos de ouro. Por isso é que na parte 1 comentei que a precisão não é obrigatória na regra dos terços, mas que se observada causa uma composição mais harmônica, em tese, tão harmônica que chega a ser “divina” visto que é utilizada “pelos Deuses em suas criações” (crenças pessoais a parte, por favor!)

Espiral de Ouro – tendendo ao infinito. Outra maneira de “Harmonizar Divinamente” suas composições Fotográficas

Jake Garner é um fotógrafo de moda que utiliza a espiral de ouro em suas composições, confira abaixo 2 amostras de seu trabalho e visite seu site para mais de seu trabalho e detalhes sobre suas idéias a respeito da proporção áurea.

Foto: Jake Garner

Foto: Jake Garner

Parafraseando Jake em seu artigo “Não quero que você saia por aí com régua e esquadro tentando medir tudo que fotografa para garantir que segue esses princípios naturais, o que recomendo é que você comece a ver o mundo da mesma maneira que a Mãe natureza vê, numa proporção de elegância absoluta e beleza matemática. Talvez assim suas imagens comecem a parecer um pouco mais fortes do que são!”

Voltando ao começo do post podemos afirmar que realmente a regra dos terços pode ser usada como alternativa mais simples à proporção áurea e terá resultados bem parecidos, mas não são iguais e agora você já sabe disso e tem 3 ferramentas para usar em suas composições: A regra dos Terços, A Proporção Áurea e a Espiral Áurea. Com certeza já deve estar com muitas idéias na cabeça. Que tal umas fotos para botar pra fora e ao mesmo tempo fixar isso tudo??

Fonte: internet

Bons Cliques!!