Verdescuridão - Confete de Luzes - Por Anfremon D´Amazonas

Verdescuridão
Tropeço
Confetes de luzes
Espalham-se pelo chão
Magia descida do alto
Que entendo eu de magia?
Ora, chamo-me Sofia
E sou verdade iluminada
Embora, por entre
Em meio a tantas vagas, pálidas
Projeções de cores
Só vejam minha silhueta

Silencio
Sofia inventa chuva miúda, colorida
Que não molha
Um pontinho brilhante aqui, outro ali
E mais outros soltos, a penderem no espaço 
Iridescente 
tom de verde em meio a tudo
Que penso eu?
Que pensa você? 
A verdade se mostra aos pedaços 
Quem pensa que a vê e a entende 
Na verdade não a vê nem a entende 
Silhueta escura de criança 
Detalhe de ilusão
Sayonara Melo / Virginia Allan

A Fotografia: Levamos Sofia no domingo para brincar nesse parque infantil que tem na Av. Maceió um pouco antes da caixa d´agua. Descobrimos que ela ainda é muito pequena para brincar com a maioria dos brinquedos, mas já na entrada algo chamou a atenção da pequena. Um jogo de luz desses utilizados em boates projetava pontos luminosos dançantes no chão. Ela parou ali observando o chão e eu com a câmera na mão não contei conversa. Fotografei na hora, sem utilizar o display de LCD, no olho mesmo. A contra-luz verde fez que aparecesse apenas a silhueta da Sofia, o que achei um efeito fantástico, uma foto colorida e bem psicodélica. De resto foi só encomendar a poesia a Virginia Allan, que quase de pronto, enviou-me esse belíssimo texto acima. Segue os parâmetros da foto abaixo. Tirada em modo Aperture Priority( A ou Ae) que, depois que aprendi a dominá-lo razoavelmente, dificilmente utilizo outro. Fiz apenas uma correção discretíssima de brilho e contraste no PaintShop:

CANON EOS REBEL T2i
F/3.2
Shutter 1/80
ISO: 1250
Focal Lenght: 55mm
S/ Flash
Aperture Priority Mode
White Balance: Modo Auto
Anúncios